ads-geral-topo
Turismo

No Dia do Meio Ambiente, exposição tem esculturas gigantes utilizando folhagens

A exposição acontecerá no Parque Botânico Vale, em Vitória, e na Reserva Natural Vale, em Linhares, dois espaços de preservação da Mata Atlântica

Por Redação

8 mins de leitura

em 03 de jun de 2024, às 13h13

Foto: divulgação

Arte e meio ambiente se misturam na mais nova iniciativa do Museu Vale, em sua atuação extramuros. A exposição “Folhear” abre no Dia do Meio Ambiente, 5 de junho, e ocupará, simultaneamente, o Parque Botânico Vale, em Vitória, e a Reserva Natural Vale, em Linhares (Norte do estado).

Leia também: Festival de Inverno de Guaçuí terá homenagem aos 15 anos de adeus ao Rei do Pop

Os visitantes poderão contemplar esculturas gigantes desenvolvidas pelo casal de artistas Felipe Barbosa e Rosana Ricalde, com curadoria de Ronaldo Barbosa, utilizando folhagens dos próprios espaços de preservação da Mata Atlântica. As obras têm como uma das inspirações a topiaria, técnica de jardinagem para dar formas esculturais às plantas, criando assim um ser único e fantástico que se conecta com a natureza, transformando-se ao longo do tempo.

A exposição também contará com o projeto educativo desenvolvido pelo museu em parceria com a arte-educadora Janaina Melo, “Fabulando Folhear: entre palmeiras e seres imaginários”, com atividades ligadas à arte e natureza, para as visitas mediadas, oficinas e formação com professores e educadores.

A mostra tem entrada gratuita e ficará aberta de 5 de junho a 8 de setembro. Em Vitória, o funcionamento do parque é de terça a domingo, das 8h às 17h. Em Linhares, a visitação fica disponível também de terça a domingo, das 8h às 16h. As visitas educativas para escolas podem ser agendadas no telefone (27) 9 9252-7525.

“A exposição Folhear aproxima o público de temas como a preservação e a consciência da nossa relação com a natureza de forma lúdica, conectando arte, educação e sensibilização ambiental. Essa integração do Museu Vale ao Parque Botânico e à Reserva Natural Vale, espaços que são referência na preservação da biodiversidade, é muito significativa. Ela reflete a atuação da Vale no sentido de fortalecer cada vez mais uma atuação sustentável e em sinergia com as questões ambientais do nosso tempo”, diz Hugo Barreto, diretor-presidente do Instituto Cultural Vale e diretor de Clima, Natureza e Investimento Cultural da Vale.

A exposição

A mostra é assinada pelo casal de artistas Felipe Barbosa e Rosana Ricalde, autores de um dos maiores sucessos de público do Museu Vale, a exposição Jardins Móveis, com materiais infláveis, que atraiu mais de 98 mil visitantes em 2017. Desta vez, eles desenvolveram três grandes esculturas – a maior tem aproximadamente 4 metros de altura e 10 metros de comprimento.

Os artistas escolheram como matéria-prima a própria natureza, por isso, as esculturas remetem a partes de um grande ser fantástico coberto por elementos naturais, sobretudo folhas.

Rosana Ricalde explica que o maior desafio foi pensar em um trabalho que pudesse usar elementos encontrados nos espaços de preservação, porque os componentes da natureza não são completamente controláveis.

Já Felipe Barbosa conta que o propósito da exposição é instigar o mistério, a fantasia e a imaginação. “A nossa ideia é que o visitante tenha uma experiência lúdica em harmonia com a paisagem. Queremos abrir um espaço para a imaginação, de modo que cada visitante consiga tomar para si uma narrativa diferente”, diz.

O curador da exposição, Ronaldo Barbosa, explica que a obra dos artistas foi feita para dialogar com o espaço e, sobretudo, causar algum estranhamento, que pode ser considerado um dos objetivos da arte contemporânea. “A princípio quando você chega até o espaço, a escultura se mistura à paisagem, mas quando fixa o olhar percebe que é um elemento estranho ao ambiente. As folhagens são ressignificadas pelos artistas e transformadas em “pele vegetal”, como descrevem, para a criação do ser fantástico, inaugurando um novo contexto para os elementos naturais”, afirma Barbosa.

Experiência artística e consciência ambiental

“Folhear” faz parte da atuação extramuros do Museu Vale, que leva programação cultural a praças, parques, novos espaços e a cada vez mais pessoas do estado do Espírito Santo e além dele, através de intercâmbios e troca de conhecimento.

Para a diretora do Museu Vale, Claudia Afonso, “a conexão entre os espaços pode ser pensada de diferentes formas, simbólicas ou concretas, por meio desses imensos seres fantásticos e imaginários, instalados no parque e na reserva”. Ela completa: “Nessa jornada, somos guiados pelas raízes que nos ensinam a importância da preservação, da harmonia, das infinitas possibilidades de conexões”.

Claudia destaca a importância do fomento à arte feita a partir de materiais orgânicos. Segundo a diretora, dessa forma, os artistas são desafiados a explorar novas técnicas, texturas e possibilidades ditadas pela natureza, resultando em obras de arte únicas.

“Também para o público, para além de uma experiência estética diferente a cada dia, os materiais podem trazer diversas camadas de reflexão, lembrando-nos da transitoriedade da vida, da beleza da impermanência das coisas, e sensibilizando para a nossa relação com o entorno e o meio ambiente”, afirma.

A exposição Folhear é uma iniciativa do Museu Vale e do Instituto Cultural Vale, com patrocínio da Vale, e realização do Ministério da Cultura, via Lei de Incentivo à Cultura.

Visitas educativas e Programa Aprendiz

A exposição contará com o projeto educativo “Fabulando Folhear: entre palmeiras e seres imaginários”. Nas atividades, crianças, jovens e adultos terão a possibilidade de criar, inventar e descobrir relações que atravessam a arte e a natureza, a partir de visitas mediadas, formação com professores e educadores, e oficinas práticas e experimentais para grupos diversos.

Desenvolvido em parceria com a arte-educadora Janaina Melo, atual diretora de Museus da Fundação Municipal de Belo Horizonte, o objetivo do projeto educativo é discutir sobre os processos de formação, experimentação e conexão da arte com a natureza.

O Museu Vale também realiza, desde 2005, o Programa Aprendiz, que promove formação em áreas ligadas à montagem de exposições, para jovens de comunidades da Grande Vitória, em parceria com o Senac.

Durante o período de montagem e instalação da exposição Folhear, os jovens têm a oportunidade de participar de aulas e oficinas com curadores, pesquisadores, professores e demais profissionais ligados às disciplinas de curadoria e arte, cultura e direito à cidade, e preparação de espaços expositivos.

Museu Vale Extramuros

O Museu Vale, em seu momento extramuros, expande suas atividades para além de paredes e limites geográficos. Leva diferentes manifestações da arte e inúmeros programas educativos para as praças, parques, escolas e outros espaços culturais, atingindo novos públicos e abrangendo outros municípios da Grande Vitória.

Através desses intercâmbios e trocas de conhecimento, a atuação do museu continua com seu legado de preservação da memória cultural, possibilitando e fomentando ações de pesquisa, educação, comunicação e formação, sempre próximo às produções do estado do Espírito Santo.

Em destaque estão as últimas mostras desenvolvidas pelo Museu Vale, que reuniram mais de 90 mil visitantes: “O Extraordinário Universo de Leonardo Da Vinci”, “Memórias do Futuro – Um olhar sobre a coleção do IHGB” e a exposição “De onde surgem os Sonhos” – Coleção Andre a e José Olympio Pereira.

A atuação do Museu se conecta ao Instituto Cultural Vale, que está presente em mais de 70 projetos patrocinados, autorais e colaborativos em todo o Espírito Santo, como Festa da Penha, Festival de Cinema de Vitória, Movimento Cidade e Musin – Festival Música na Infância, entre outros. O Instituto conta ainda com o Vale Música Serra, criado em 2000, que promove ações de educação musical para estudantes da rede pública do Espírito Santo. O projeto, em funcionamento na Estação Conhecimento Serra, conta com diversos grupos de referência como orquestra, camerata jovem, banda sinfônica, coral infantil, coral jovem e jazz band.

Parque Botânico Vale e Reserva Natural Vale

Localizado em Jardim Camburi, Vitória, o Parque Botânico é um espaço de lazer e vivência com a natureza, composto por 33 hectares de Mata Atlântica, onde podem ser vistas mais de 140 espécies de árvores. Além disso, o local é frequentado por espécies de aves migratórias e répteis, como o jacaré de papo amarelo.

A Reserva Natural Vale, com área de aproximadamente 23 mil hectares, situa-se em Linhares, Norte do Estado, e integra a da Rota do Verde e das Águas, sendo um destino ecoturístico de exuberante paisagem. O espaço oferece trilhas ecológicas, torre de observação, coleções científicas e promove ações de educação ambiental para fortalecer o conhecimento local sobre sustentabilidade.

Serviço

Evento: Exposição Folhear
Entrada: gratuita
Período de visitação: de 5 de junho a 8 de setembro de 2024
Classificação: livre

Vitória
Dias e horários: De terça a domingo. Das 8h às 17h
Local: Parque Botânico Vale, na Av. dos Expedicionários. Jardim Camburi, Vitória.

Linhares
Dias e horários: De terça a domingo. Das 8h às 16h
Local: Reserva Natural Vale, na Rodovia BR 101, Km 122. Zona Rural, Linhares.

Grupos escolares:
Agendamento pelo contato: (27) 9 9252-7525

Para mais informações, acesse o site museuvale.org

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape