ads-geral-topo
Cidades

Curta-metragem mergulha na história do ator de Guaçuí, Fernando Torres

Nesta quinta (27), foi feita sua primeira exibição, na Escola Estadual Monsenhor Miguel de Sanctis e, nesta sexta (28), será exibido na Escola Municipal Deocleciano de Oliveira

Por Redação

3 mins de leitura

em 27 de abr de 2023, às 18h04

Foto Reprodução

Um mergulho na vida e história do renomado ator Fernando Torres. Este é o enredo do filme curta-metragem “A última carta”, do jornalista e cineasta, Júlio Costa, de Guaçuí. A produção com cerca de 6 minutos conta um pouco da vida do ator que é natural do município, onde seu pai, Manoel Monteiro Torres foi o primeiro prefeito eleito. Hoje, Fernando Torres dá seu nome ao Teatro Municipal de Guaçuí.

Júlio Costa conta que o curta-metragem é uma singela homenagem ao ator, contando sua história. E, nesta quinta-feira (27), foi feita sua primeira exibição na Escola Estadual de Tempo Integral Monsenhor Miguel de Sanctis – Escola Viva, em duas sessões, às 14 e às 19 horas. E nesta sexta (28), será exibido na Escola Municipal Deocleciano de Oliveira, às 20h30. A circulação é do Cine Clube Badaró, de Guaçuí.

Nesta quinta (27), foi feita a primeira exibição na Escola Estadual de Tempo Integral Monsenhor Miguel de Sanctis (Foto Divulgação).

Para o autor, a produção é de grande importância para o fortalecimento cultural da região. “É tão inspirador, a ponto de atrair e sugerir novas ideias, novos parceiros, fomentar a realização de outros filmes, outros projetos que possam retratar a identidade do povo do Caparaó, assim como o guaçuiense Fernando Torres”, enfatiza.

No curta-metragem, Fernando Torres (interpretado por Rubinho Moraes), já idoso, é entrevistado por uma repórter (a atriz Eliane Correia), onde conta sua história. Enquanto faz sua narrativa, ele compartilha memórias e sentimentos com a cidade onde nasceu, revelando histórias nunca antes contadas. Ambos os atores são de Guaçuí e tudo é baseado em arquivos históricos da vida do ator e sua família, no município.

Depois da entrevista, o personagem Fernando Torres, então, escreve “A última carta”, endereçada à sua cidade natal, a qual lê no final do filme, em um momento de muita emoção. “Eu parti dessa ideia de como seria Fernando Torres relembrando a parte de sua vida em Guaçuí e escrevendo uma carta para sua cidade”, conta, Julio Costa.

Julio Costa com Rubinho Moraes, que interpreta Fernando Torres, no filme (Foto Divulgação).

A realização do filme, segundo seu autor, é o desejo de um produtor que gosta, discute e divulga obras cinematográficas. “E que também sonha em ver seus filmes em circuitos e sessões nas telas de audiovisual espalhadas pelo Brasil”, afirma.

O projeto, que conta com imagens e som de Deyvid Couzi, também de Guaçuí, é fruto do edital municipal Johnny Machado, resultado do programa de Coinvestimento da Cultura – Fundo a Fundo, numa parceria entre Prefeitura e Secretaria do Estado da Cultura (Secult).

Fernando Monteiro Torres (1927/2008) foi ator, diretor e produtor brasileiro de teatro, cinema e televisão. Era casado, desde 1952, com a atriz Fernanda Montenegro, com quem teve dois filhos: o cineasta Cláudio Torres e a atriz Fernanda Torres. Era formado em medicina, mas, desde cedo, sua grande paixão foi o teatro, onde atuou, produziu e dirigiu diversas peças, além de ter participado de dezenove filmes e várias novelas.

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape