ads-geral-topo
Nacional

Padre é afastado das funções após denúncias de ofensas racistas

O padre é acusado de ter chamado uma bancária de "neguinha" e "mula", e um manobrista de "macaco"

Por Estadão

em 25 de jul de 2023, às 15h10

3 mins de leitura

Foto: Reprodução/Internet

A Arquidiocese de Campinas, no interior de São Paulo, afastou o padre Silvio Sade Tesche da função sacerdotal após denúncias de ofensas racistas. Ele era vigário paroquial da Basílica Nossa Senhora do Carmo, uma das igrejas mais importantes da arquidiocese. O padre é acusado de ter chamado uma bancária de “neguinha” e “mula”, e um manobrista de “macaco”. A Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público. A defesa do sacerdote nega o teor da acusação.

Os casos aconteceram no ano passado em um prédio comercial da região central de Campinas e foram registrados na Polícia Civil. No primeiro evento, no dia 30 de setembro, o padre teria se negado a deixar a chave do seu carro com o manobrista, um homem de 57 anos.

O homem explicou que era norma do edifício e o padre teria reagido com agressão verbal, chamando-o de “macaco”, além de ter batido com a mão em seu peito. Ao cobrar explicações, o padre teria dito que “era por isso que não gostava de negro” e o chamado de “petista filho da p….”

O outro episódio, ocorrido um mês depois, envolveu funcionárias de uma agência bancária que funciona no mesmo edifício. Inicialmente, o padre se indispôs aos gritos com uma recepcionista de 23 anos, a quem chamou de “burra” e “neguinha”, após ela ter informado que a gerente não poderia atendê-lo de imediato. A gerente acorreu em defesa da funcionária e também foi ofendida, sendo chamada de “burra, incompetente e boçal”, segundo a denúncia.

Os dois casos foram denunciados à Polícia Civil e resultaram na abertura de inquéritos. Em junho, a Justiça acatou a denúncia do Ministério Público Estadual e tornou o padre réu.

“O MPSP ofereceu denúncia que foi recebida pelo juízo, tendo sido apresentada resposta à acusação. Confirmado o recebimento da denúncia, se seguirão audiência de instrução, debates e julgamento”, informou o MP. Em janeiro deste ano, o crime de injúria racial – ofensa em razão de raça, cor, etnia ou procedência nacional – foi equiparado ao racismo, mas os eventos que envolvem o padre são anteriores à nova lei.

No último dia 18, a Arquidiocese de Campinas publicou decreto assinado pelo arcebispo dom João Inácio Müller proibindo o padre Silvio do exercício do ministério sacerdotal “dentro e fora dos limites territoriais da Diocese, até que seja determinado o contrário”.

Conforme o documento, a medida foi tomada “no intuito de prevenir escândalos, proteger a liberdade das pessoas envolvidas e tutelar o curso da justiça”. O padre continua com direito à remuneração de dois salários mínimos – R$ 2,6 mil – para seu sustento, mas deve arcar com as custas de sua defesa. A arquidiocese abriu também uma investigação prévia sobre a conduta do sacerdote, levando em conta as denúncias apresentadas contra ele.

A reportagem procurou o padre Silvio Tesche, mas o secretariado da paróquia informou que ele se encontra em recolhimento e não se manifestará. A defesa do padre Silvio Tesche disse que os fatos não se passaram da forma como foram denunciados pelas vítimas. “Tendo em vista os princípios do contraditório, ampla defesa e devido processo legal, a defesa técnica e o acusado somente se manifestarão nos autos do processo”, disse, em nota.

Estadão Conteúdo

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape