ads-geral-topo
Internacional

Onda de assaltos ‘flashmobs’ se espalha nos EUA, com roubos em lojas famosas

O saque estilo flashmob na noite de terça-feira, 26, foi mais um episódio que se soma a uma crescente lista de roubos organizados, possivelmente alimentados nas redes sociais

Por Estadão

em 02 de out de 2023, às 14h21

6 mins de leitura

Foto: Reprodução

A polícia da cidade de Filadélfia, na Pensilvânia (EUA), prendeu mais de 50 pessoas na semana passada após uma ação de roubo em massa, na qual grupos de ladrões, aparentemente trabalhando juntos, invadiram lojas, enchendo sacos com mercadorias e fugindo.

O saque estilo flashmob na noite de terça-feira, 26, foi mais um episódio que se soma a uma crescente lista de roubos organizados, possivelmente alimentados nas redes sociais, que se espalham pelos Estados Unidos, especialmente na Pensilvânia e na Califórnia.

Os roubos têm viralizado nas redes sociais, com vídeos de pessoas, muitas vezes, usando capuzes e máscaras que cobrem o rosto, derrubando prateleiras, enchendo bolsos ou sacolas com produtos roubados e correndo da loja carregando os itens.

À medida que os episódios de crimes deste tipo continuam aumentando em todo o país, os varejistas têm assistido a um salto dramático nas perdas financeiras associadas ao roubo. Uma pesquisa divulgada na semana passada pela Federação Nacional de Varejo dos Estados Unidos revelou que o prejuízo financeiro relacionado a crimes chegou a a US$ 112,1 bilhões em 2022, um número consideravelmente acima dos 93,9 mil milhões de 2021.

Dezenas de lojas atacadas na Filadélfia

Os crimes ocorreram depois de um protesto pacífico contra a decisão de um juiz de rejeitar assassinato e outras acusações contra um policial da Filadélfia que atirou e matou um motorista, Eddie Irizarry, através de uma janela enrolada. Os envolvidos no saque não faziam parte do protesto, disse o comissário interino da polícia, John Stanford, em entrevista coletiva, chamando o grupo de “um bando de oportunistas criminosos”.

Havia um grande número de jovens no corredor comercial do centro da Filadélfia, chamado Center City, pouco antes das 20h, e alguns policiais pararam um grupo de homens “vestidos com trajes pretos e usando máscaras”, segundo um comunicado da polícia.

Naquela momento, chegaram ligações para o 911 sobre a loja Foot Locker. Quando a polícia chegou, descobriu que o local havia sido “saqueado em um ataque coordenado”, disse o comunicado à imprensa. Às 20h12, a polícia respondeu a chamadas semelhantes em Lululemon. Pouco depois, ligações direcionaram a polícia para a Apple, onde fugiram com telefones e tablets – e depois os jogaram no chão quando perceberam que os dispositivos estavam desativados e seus alarmes estavam disparando.

Pelo menos 18 lojas de bebidas estatais foram invadidas, levando o Conselho de Controle de Bebidas da Pensilvânia a fechar todas as 48 lojas de varejo na Filadélfia e uma no subúrbio de Cheltenham na quarta-feira. Nenhum funcionário ficou ferido, mas “alguns ficaram compreensivelmente abalados”, disse o porta-voz do conselho de bebidas, Shawn Kelly.

Os roubos se estenderam do centro da cidade ao nordeste e oeste da Filadélfia, deixando vitrines quebradas e coberturas de lojas quebradas. Seis empresas num único centro comercial do Norte de Filadélfia foram saqueadas, incluindo três farmácias, um salão de beleza, uma empresa contábil e uma loja de celulares. Benjamin Nochum, farmacêutico e gerente de loja da Patriot Pharmacy, disse que foi a terceira vez desde 2020 que seu negócio foi atingido.

As pessoas pareciam ter organizado esforços nas redes sociais, segundo as autoridades da Filadélfia. A polícia está investigando “que possivelmente havia uma caravana de vários veículos diferentes indo de um local para outro”. Um vídeo postado nas redes sociais mostrou pessoas penduradas em carros no estacionamento de um shopping center, parecendo gritar instruções umas para as outras.

“Este comportamento destrutivo e ilegal não pode e não será tolerado na nossa cidade”, disse o prefeito Jim Kenney, um democrata, chamando-o de “demonstração repugnante de atividade criminosa oportunista”. Sua administração está trabalhando com a polícia para avaliar “quais áreas da cidade podem precisar de maior cobertura ou recursos adicionais”, disse ele.

Los Angeles montou força-tarefa

Os roubos na Filadélfia ocorreram no mesmo dia em que a Target anunciou que fecharia nove lojas em quatro estados, incluindo uma no bairro East Harlem, em Nova York, e três na área da baía de São Francisco, na Califórnia, dizendo que o roubo e o crime organizado no varejo ameaçaram a segurança de seus trabalhadores. e clientes.

“Antes de tomar esta decisão, investimos fortemente em estratégias para prevenir e impedir o roubo e o crime organizado no retalho nas nossas lojas, tais como adicionar mais membros à equipa de segurança, utilizar serviços de guarda terceirizados e implementar ferramentas de dissuasão de roubo em todo o nosso negócio. Apesar dos nossos esforços, infelizmente, continuamos a enfrentar desafios fundamentais para operar estas lojas com segurança e sucesso”, disse o comunicado da rede.

Na quinta-feira, 28, uma loja da Nike em Irvine, na Califórnia, foi alvo de quatro jovens, incluindo uma adolescente de 14 anos, que fugiram com cerca de US$ 3 mil em roupas, incluindo moletons, calças, camisas e sutiãs esportivos. A polícia local informou que acredita que os suspeitos integrem um grupo de crime organizado da região que já levou cerca de US$ 11 mil em mercadorias.

Em agosto, um roubo do mesmo estilo ocorreu em um shopping no bairro Canoga Park, em Los Angeles, em que cerca de 30 suspeitos invadiram uma loja Nordstrom, rede americana de lojas de departamentos de luxo, saqueando prateleiras e displays, levando quase US$ 300 mil em mercadorias. Na mesma semana, uma loja Yves Saint Laurent, também em Los Angeles, foi invadida por cerca de 30 pessoas que fugiram com pelo menos US$ 400 mil em mercadorias.

Os roubos acarretaram na criação de um esquema de força-tarefa contra o crime organizado em Los Angeles. Diversas autoridades, como o Departamento de Polícia de Los Angeles e a Patrulha Rodoviária da Califórnia, envolveram-se na missão de conter os crimes e prender os envolvidos.

Episódios repetem casos de 2021

O caos recente lembra roubos no fim de 2021, particularmente na área da baía de São Francisco, onde grupos organizados de ladrões, alguns carregando pés de cabra e martelos, atacaram sistematicamente lojas de luxo.

Na época, grupos de pessoas invadiram lojas como Louis Vuitton, Burberry e Bloomingdales no centro da cidade e em Union Square, um bairro comercial luxuoso, popular entre turistas e repleto de compradores de fim de ano. Acredita-se que os roubos faziam parte de redes criminosas sofisticadas que recrutavam principalmente jovens para roubar mercadorias e depois vendê-las online.

“Não estamos falando de alguém que precisa de dinheiro ou de comida. São pessoas que saem e fazem isso em busca de alto lucro e de emoção”, disse Ben Dugan, na época, presidente da Coalizão de Aplicação da Lei e Varejo.

(Com Associated Press)

Estadao Conteudo

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape