ads-geral-topo
Internacional

Papua-Nova Guiné diz que deslizamento soterrou mais de 2 mil pessoas

As estimativas de vítimas variaram muito desde a ocorrência do desastre, e não ficou imediatamente claro como as autoridades chegaram ao número de pessoas afetadas

Por Estadão

4 mins de leitura

em 27 de maio de 2024, às 09h44

Foto: Reprodução

Um funcionário do governo de Papua-Nova Guiné disse às Nações Unidas que mais de 2 mil pessoas teriam sido enterradas vivas pelo deslizamento de terra de sexta-feira (24), e pediu formalmente ajuda internacional.

O número do governo é aproximadamente o triplo da estimativa da ONU de 670 mortos pelo deslizamento de terra no interior montanhoso da nação insular do Pacífico Sul. Os restos mortais de apenas seis pessoas foram recuperados até o momento.

Em uma carta vista pela The Associated Press ao coordenador residente das Nações Unidas, datada de domingo, 26, a diretora interina do Centro Nacional de Desastres da nação insular do Pacífico Sul, Luseta Laso Mana, disse que o deslizamento de terra “enterrou mais de 2 mil pessoas vivas” e causou “grande destruição” na vila de Yambali, na província de Enga.

As estimativas de vítimas variaram muito desde a ocorrência do desastre, e não ficou imediatamente claro como as autoridades chegaram ao número de pessoas afetadas.

A Organização Internacional para Migração, que está trabalhando em estreita colaboração com o governo e assumindo um papel de liderança na resposta internacional, não alterou o número estimado de 670 mortos divulgado no domingo, enquanto aguarda novas evidências.

“Não podemos contestar o que o governo sugere, mas não podemos comentar”, disse Serhan Aktoprak, chefe da missão da agência de migrantes da ONU em Papua-Nova Guiné.

“Com o passar do tempo em uma ocorrência tão grande, o número permanecerá fluido”, acrescentou Aktoprak.

O número de 670 mortos baseou-se nos cálculos da aldeia de Yambali e das autoridades provinciais de Enga, segundo os quais mais de 150 casas foram soterradas pelo deslizamento de terra. A estimativa anterior era de 60 casas.

O gabinete do primeiro-ministro de Papua-Nova Guiné, James Marape, não respondeu na segunda-feira (27) a um pedido de explicação sobre a estimativa do governo de 2 mil mortos.

Determinar a escala do desastre é difícil devido às condições desafiadoras no local, incluindo a localização remota do vilarejo, a falta de telecomunicações e a guerra tribal em toda a província, o que significa que os trabalhadores humanitários internacionais e os comboios de ajuda precisam de escolta militar.

O deslizamento de terra também enterrou um trecho de 200 metros da principal rodovia da província sob escombros de 6 a 8 metros de profundidade, o que cria um grande obstáculo para as equipes de socorro.

Mana disse que o deslizamento de terra teria um grande impacto econômico em todo o país.

“A situação permanece instável” devido ao deslocamento do solo, “representando um perigo contínuo tanto para as equipes de resgate quanto para os sobreviventes”, escreveu Mana para as Nações Unidas.

Uma escavadeira doada por um construtor local no domingo foi a primeira peça de maquinário pesado de terraplenagem trazida para ajudar os moradores que estavam cavando com pás e ferramentas agrícolas para encontrar corpos. O trabalho em torno dos escombros ainda em movimento é traiçoeiro.

Mana e o ministro da Defesa de Papua-Nova Guiné, Billy Joseph, voaram no domingo em um helicóptero militar australiano da capital Port Moresby para Yambali, 600 quilômetros a noroeste, para obter uma perspectiva em primeira mão do que é necessário.

O escritório de Mana publicou uma foto dele em Yambali entregando a um funcionário local um cheque de 500.000 kina (US$ 130.000) para comprar suprimentos de emergência para os 4 mil sobreviventes desabrigados.

O objetivo da visita era decidir se o governo de Papua-Nova Guiné precisava solicitar oficialmente mais apoio internacional.

Equipamentos de terraplenagem usados pelos militares de Papua-Nova Guiné estavam sendo transportados para o local do desastre, a 400 quilômetros da cidade de Lae, na costa leste.

Segundo as autoridades, os moradores traumatizados estão divididos quanto à permissão para que máquinas pesadas desenterrem e danifiquem ainda mais os corpos de seus parentes soterrados. Fonte: Associated Press.

Estadao Conteudo

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape