ads-geral-topo
Internacional

Tragédia do submarino, que implodiu em expedição ao Titanic, completa 1 ano

Após uma busca de cinco dias que capturou a atenção do mundo, as autoridades disseram que a embarcação havia implodido e que todas as cinco pessoas a bordo morreram

Por Estadão

4 mins de leitura

em 18 de jun de 2024, às 11h50

Foto: Reprodução

Um ano após um submersível experimental implodir a caminho do Titanic, ainda há perguntas sem respostas. Esta terça-feira (18), marca o aniversário da tragédia do submarino Titan, que desapareceu a caminho do local do naufrágio histórico. Após uma busca de cinco dias que capturou a atenção do mundo, as autoridades disseram que a embarcação havia implodido e que todas as cinco pessoas a bordo morreram.

A Guarda Costeira dos Estados Unidos rapidamente convocou uma investigação de alto nível sobre o ocorrido. Preocupações incluíam o design não convencional do Titan e a decisão de seu criador de ignorar verificações independentes padrão.

Leia também: Piloto de 9 anos morre após acidente em prova de motovelocidade

A Guarda afirma que submersível implodiu em virtude da “catastrófica perda de pressão interna na cabine”. Agora, as autoridades tentam determinar o que causou tal incidente, já que uma implosão subaquática ocorre quando uma embarcação não funciona em perfeito estado.

Autoridades da Guarda Costeira dos EUA disseram em um comunicado na semana passada que não estariam prontas para divulgar os resultados da investigação até o aniversário. Uma audiência pública para discutir as conclusões não ocorrerá por pelo menos mais dois meses, disseram.

Os investigadores “estão trabalhando em estreita colaboração com nossos parceiros nacionais e internacionais para garantir uma compreensão abrangente do incidente”, disse Jason Neubauer, presidente da Junta de Investigação Marítima, descrevendo a investigação como um “esforço complexo e contínuo.”

O Titan era propriedade de uma empresa chamada OceanGate, que suspendeu suas operações em julho passado, pouco depois da tragédia. A OceanGate se recusou a comentar.

O que aconteceu com o submarino Titan?

O submarino Titan fez seu último mergulho em 18 de junho de 2023, uma manhã de domingo, e perdeu contato com seu navio de apoio cerca de duas horas depois. Quando foi relatado como atrasado naquela tarde, os resgatadores enviaram navios, aviões e outros equipamentos para a área, cerca de 700 quilômetros ao sul de St. John’s, no Canadá.

Além do cofundador da OceanGate, Stockton Rush, a implosão matou dois membros de uma família paquistanesa, Shahzada Dawood e seu filho Suleman Dawood; o aventureiro britânico Hamish Harding; e o especialista em Titanic Paul-Henri Nargeolet.

Harding e Nargeolet eram membros do The Explorers Club, uma sociedade profissional dedicada à pesquisa, exploração e conservação de recursos. “Isso nos afetou profundamente em um nível pessoal”, disse o presidente do grupo, Richard Garriott, em uma entrevista na semana passada. Garriott disse que haverá uma celebração de lembrança para as vítimas do Titan esta semana em Portugal, na Cúpula Global de Exploração anual.

Em outubro do ano passado, a Guarda Costeira dos Estados Unidos recuperou os destroços restantes do submersível, incluindo supostos restos humanos. A recuperação ocorreu no fundo do oceano, a cerca de 488 metros de distância do Titanic e a uma profundidade de 3,8 mil metros.

Tragédia não impedirá a exploração em águas profundas

A empresa da Geórgia que possui os direitos de salvamento do Titanic planeja visitar o transatlântico afundado em julho usando veículos operados remotamente, e um bilionário do setor imobiliário de Ohio disse que planeja uma viagem ao naufrágio em um submersível para duas pessoas em 2026.

Vários exploradores de águas profundas disseram à Associated Press que o desastre do Titan abalou a comunidade mundial de exploradores, mas ela permanece comprometida em continuar suas missões para expandir a compreensão científica do oceano.

Garriott, presidente do The Explorers Club, acredita que o mundo está em uma nova era dourada de exploração submarina, graças aos avanços tecnológicos que abriram fronteiras e forneceram novas ferramentas para estudar mais profundamente locais já visitados. A tragédia do Titan não manchou isso, disse ele. “O progresso continua”, disse ele. “Na verdade, sinto-me muito confortável e confiante de que agora seremos capazes de prosseguir.”

A veterana exploradora de águas profundas Katy Croff Bell disse que a implosão do Titan reforçou a importância de seguir os padrões da indústria e de realizar testes rigorosos. Mas na indústria como um todo, “o histórico de segurança tem sido muito bom por várias décadas”, disse Bell, presidente da Ocean Discovery League, uma organização sem fins lucrativos.

Fonte: Associated Press.

Estadao Conteudo

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape