ads-geral-topo

A dura vida de quem tem deficiência e vive no interior

Um dos principais obstáculos enfrentados pelas famílias no interior é a falta de estrutura e de profissionais capacitados para lidar com as necessidades específicas das pessoas com deficiência.

3 mins de leitura

em 25 de jun de 2024, às 11h02

Fonte: Freepik

Por Marcel Carone

No Brasil, as famílias que têm pessoas com deficiência e vivem no interior enfrentam uma série de desafios para terem acesso ao atendimento e às políticas públicas necessárias para garantir o bem-estar e a inclusão dessas pessoas. As dificuldades são ainda mais acentuadas quando comparadas às famílias que residem em áreas urbanas, onde os serviços e recursos estão mais concentrados.

Um dos principais obstáculos enfrentados pelas famílias no interior é a falta de estrutura e de profissionais capacitados para lidar com as necessidades específicas das pessoas com deficiência. Muitas vezes, as cidades menores não contam com centros especializados, como clínicas de habilitação e reabilitação, escolas inclusivas e centros de assistência social. Isso faz com que as famílias tenham que percorrer longas distâncias para buscar atendimento adequado, o que gera custos financeiros e dificuldades logísticas, isso inclui a falta de serviços, tais como fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, psiquiatras, psicólogos e neurologistas. Muitas famílias percorrem longas distâncias para serem atendidas na região metropolitana e ainda dependem do transporte da prefeitura, uma jornada exaustiva e desumana, sem contar o suporte que necessitam para alimentação. 

Outro desafio enfrentado pelas famílias é a falta de acessibilidade nas cidades do interior. Esse problema, eu diria, é cultural. A ausência de rampas, calçadas adaptadas, transporte público acessível e espaços inclusivos dificulta a mobilidade e a participação social das pessoas com deficiência. Isso limita as oportunidades de estudo, desenvolvimento, trabalho e lazer, contribuindo para a exclusão e a marginalização dessas pessoas.

É fundamental que os governantes e gestores públicos reconheçam a importância de garantir o acesso igualitário aos serviços e recursos em todas as regiões do país. Um bom exemplo de programa de governo que pode viabilizar bons profissionais, especialistas, e fazer com que permaneçam atendendo nas cidades mais distantes do interior é o Mais Médicos. Esse é um modelo que cairia muito bem também no atendimento às pessoas com deficiência, idosos e pessoas que temporariamente têm sua mobilidade comprometida. 

Para superar essas dificuldades, é necessário um esforço conjunto entre o poder público, a sociedade civil e as próprias famílias. É fundamental tirar essas pessoas e seus desafios vividos diariamente da invisibilidade. Muito importante também é a ampliação da oferta de políticas públicas e programas de apoio financeiro, garantindo o suporte necessário para todos os cuidadores, que têm papel vital no auxílio às pessoas com necessidades especiais. 

É necessário um esforço conjunto para superar essas dificuldades e garantir que todas as pessoas, independentemente de onde vivam, tenham acesso igualitário aos serviços e recursos necessários para uma vida digna e inclusiva.

Marcel Carone é jornalista, apresentador de tv, empresário, ativista social comprometido com a inclusão, Embaixador da Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Síndrome de Down do Espírito Santo Vitória Down, Idealizador da “Brigada 21” e do “Pelotão 21”. É diplomado pela ADESG – Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra e Comendador do 38° Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro. 

As informações/opiniões aqui escritas são de cunho pessoal e não necessariamente refletem os posicionamentos do AQUINOTICIAS.COM

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape