ads-geral-topo
Cidades

Técnica que retarda doenças neurológicas ganha destaque em Cachoeiro

A neuromodulação será explicada pela psicóloga Lidiane Silva, que palestrará no Simpósio de Ciência e Tecnologia na Saúde: PROINTEC - Saúde in Foco

Por Flavio Cirilo

3 mins de leitura

em 15 de maio de 2024, às 10h45

Foto: Reprodução | Rede social

“Pacientes com doenças neurológicas agora podem contar com sessões de neuromodulação para amenizar os sintomas e retardar a evolução do quadro clínico”. Quem afirma é a psicóloga, especialista em Atenção Psicossocial em Saúde Mental, Lidiane Silva, que palestrará sobre o tema no Simpósio de Ciência e Tecnologia na Saúde: PROINTEC – Saúde in Foco.

O evento é gratuito e acontece, nos dias 21 e 22 de maio, no Jaraguá Tênis Clube, em Cachoeiro.

A neuromodulação auxilia no tratamento de doenças como parkinson, perda de memória significativa, alzheimer, demência, Acidente Vascular Cerebral (AVC) e Acidente Vascular Encefálico (AVE).

LEIA TAMBÉM: Publicidade médica: especialista aponta novidades e desafios

Conforme explica a especialista, o procedimento trata-se de uma técnica utilizada para modular o tecido neuronal, podendo estimular estruturas centrais, bem como estruturas periféricas, nervos cranianos e nervo frênico, através de uma bobina, que proporciona a corrente elétrica, propiciando um campo magnético.

“Para uso terapêutico é utilizado pulsos de repetição, com frequência acima de 1H. A neuromodulação está sendo indicada para psicopatologias, doenças neurológicas e cognitivas, que afetam também os impulsos comportamentais. A indicação é sempre como um tratamento terapêutico auxiliador aos tratamentos padrões”, relata Silva.

A depressão e transtornos de ansiedade como o transtorno obsessivo compulsivo, esquizofrenia, Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) e fobias, dores crônicas, lesões medulares, distúrbios de movimentos, também estão nas condições indicadas para o procedimento. Porém, o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e Transtorno do Espectro Autista (TEA) estão em estudo para comprovar os benefícios da neuromodulação neste grupo de pessoas.

Neuromodulação no SUS

De acordo com a psicóloga, um serviço de referência é o da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), que além de pesquisas avançadas a pacientes neurológicos, também estudam os benefícios em pacientes psiquiátricos.

No dia 27 de abril, na Assembleia Legislativa de São Paulo, ocorreu um debate sobre o uso da neuromodulação no Sistema Único de Saúde (SUS) para beneficiar a população com o tratamento, ao qual possui evidências e comprovação cientifica, auxiliando na esfera pública, com diminuição de gastos públicos em dores crônicas e ou doenças degenerativas.

“Ainda há muito que se avançar na sociedade, com esta ferramenta inovadora na área médica, que pode beneficiar a sociedade, aumentando a expectativa de vida com mais dignidade e autonomia”, afirma Lidiane Silva

SERVIÇO

Datas: 21 e 22 de maio
Local: Jaraguá Tênis Clube – Cachoeiro de Itapemirim
Instagram: @prointec_es
Inscrições gratuitas: https://www.sympla.com.br/evento/prointec-simposio-de-ciencia-e-tecnologia-na-saude/2466891

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape