ads-geral-topo
Grande Vitória

​Investimento do BNDES em estudos marítimos beneficiará portos de Vila Velha

De acordo com o BNDES, 95% das operações de comércio exterior são realizadas por vias marítimas

Por Redação

3 mins de leitura

em 11 de jun de 2024, às 09h05

Foto: Divulgação/PMVV

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai investir R$ 12 milhões em estudos sobre o uso do ambiente marinho, costeiro e oceânico dos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo, para a elaboração de um plano econômico marítimo envolvendo toda a área costeira do Sudeste brasileiro.

Leia também: Vila Velha sobe 29 posições no Ranking de Competitividade dos Municípios
 
Os recursos, oriundos do Fundo de Estruturação de Projetos do BNDES, serão investidos ao longo de 36 meses, para viabilizar o Planejamento Espacial Marítimo (PEM) da Região Sudeste, que concentra 82% da economia oceânica brasileira, conhecida como “economia azul”.

Estudos marítimos em Vila Velha

“O PEM é um instrumento de mapeamento marítimo para a organização dos recursos destinados a investimentos no setor; para a integração dos diferentes agentes socioeconômicos que compõem o segmento; e para garantir segurança jurídica às operações, além de fortalecer a soberania nacional. A meta é subsidiar ações, programas, projetos e investimentos com dados precisos que possam fomentar o uso sustentável da costa brasileira”, explica o secretário de Desenvolvimento Econômico de Vila Velha, Everaldo Colodetti.
 
Segundo ele, o PEM prevê a identificação do déficit de investimentos e informações sobre operações portuárias, pesca industrial, pesca artesanal, agricultura, exploração de petróleo e gás, mineração, segurança e proteção, atividades turísticas, energias renováveis e meio ambiente.
 
“Mas tudo será feito em total consonância com as normas vigentes, principalmente no que diz respeito às restrições legais e ambientais que incidem sobre cada uma dessas atividades econômicas”, ressalta Colodetti.

Economia Azul

Nos estados da Região Sudeste, a “economia azul” –  que representa 18,3% do PIB fluminense; 13,7% do PIB capixaba e 0,9% do PIB paulistano – conta com a participação direta dos complexos portuários locais, incluindo o de Vila Velha, e de empresas de turismo e também de produção de petróleo e gás.
 
De acordo com o BNDES, 95% das operações de comércio exterior são realizadas por vias marítimas. Somadas, essas operações movimentam negócios que respondem, atualmente, por 20% do Produto Interno Bruto brasileiro. Daí a importância da elaboração do PEM.
 
Para a execução deste Planejamento Espacial Marítimo – especialmente voltado ao desenvolvimento da “economia azul” nos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo – o BNDES selecionou o consórcio “Sudeste Azul”, formado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pela empresa Environpact Sustentabilidade.

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape