ads-geral-topo
Segurança

Mulher é condenada por agredir enteada de 5 anos no ES

Segundo o MPES, na época, a vítima chegou a desmaiar por conta das agressões e foi levada em estado grave a um hospital da cidade

Por Redação

2 mins de leitura

em 07 de jun de 2024, às 08h21

Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

Uma mulher de 37 anos, foi condenada por agredir a enteada, que na época, tinha 5 anos. A agressora recebeu a condenação na última quinta-feira (6), em Linhares, de 37 anos e 4 meses anos de prisão pelos crimes de tentativa de homicídio e tortura contra a vítima. Ela cumprirá a pena inicialmente em regime fechado.

Além disso, segundo o Ministério Público do Espírito Santo (MPES), a Justiça determinou também que a mulher condenada pague o valor de R$ 150 mil em favor da vítima, a título de dano moral e estético mínimo.

O MPES, representado pelo Promotor de Justiça Claudeval França Quintiliano, sustentou a denúncia contra a ré no Tribunal do Júri realizado nesta quinta-feira (6), em Linhares. De acordo com os autos, a mulher condenada agrediu e torturou a criança por diversas vezes, uma das quais batendo a cabeça da vítima na parede.

Leia também: Mimoso do Sul: vereadores são atingidos por vigas em construção de ponte

Assim, ela foi condenada a 26 anos e 8 meses pelo crime de tentativa de homicídio e a 10 anos e 8 meses pelo crime de tortura. Os fatos ocorreram no dia 24 de maio de 2021, na residência onde a mulher morava com o pai da criança, em Linhares.

A vítima, que chegou a desmaiar por conta das agressões, foi levada em estado grave a um hospital da cidade, onde foram acionados o Conselho Tutelar e a Polícia Militar. A partir dos exames realizados, ficou constatado que a mulher condenada praticou violência física e mental contra a criança por cerca de 15 dias anteriores.

Proteção

O MPES também denunciou o pai da criança por manter-se inerte diante do crime, descumprindo sua obrigação de cuidado, proteção e vigilância. Logo após os fatos, ele manteve a versão relatada pela agressora, de que a criança havia sofrido uma reação alérgica decorrente de vacina.

Entretanto, a defesa do pai da vítima apresentou um recurso ao processo, que foi desmembrado. Com isso, ele será julgado posteriormente em outro Tribunal do Júri.

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape