ads-geral-topo
Política

Gandini quer sala adaptada para autistas em estádios

O deputado destaca maior propensão dessas pessoas à hipersensibilidade sensorial a estímulos do ambiente

Por Redação

em 06 de jul de 2023, às 12h57

3 mins de leitura

Foto: Ellen Campanharo | Ales

Para garantir a presença de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), portadores de Síndrome de Down, dentre outros transtornos nos estádios e arenas esportivas, que possuam capacidade igual ou superior a 15 mil pessoas, o deputado estadual Fabrício Gandini (Cidadania) propõe a criação de uma sala sensorial adaptada nesses locais.

“O meu projeto objetiva separar espaços, como uma sala, na qual se daria para presenciar o evento esportivo através de paredes de vidro, com iluminação controlada, piso tátil, área recreativa, agentes para auxiliar e, o mais importante, som reduzido”, explicou Gandini.

Ele reforça que autistas possuem maior propensão à hipersensibilidade sensorial a estímulos do ambiente e sofrem com os barulhos e ruídos, provocando uma sobrecarga dos sentidos, causando desconfortos, pânico e até comportamentos agressivos.

Muitas vezes, em jogos de futebol, nos momentos em que um time faz um gol, os sons ficam mais intensos devido aos gritos e maior agitação da torcida, e as pessoas com TEA se assustam e têm a necessidade de se locomover até um lugar mais calmo.

“Daí a importância de uma sala adaptada, com um sistema antirruído, para diminuir o barulho do estádio, já que isso pode incomodar estes torcedores. A iluminação do ambiente seria feita por meio de luz indireta, e o mobiliário também é pensado de forma adaptada, para garantir maior comodidade para torcedores, com fones abafadores de som e brinquedos para as crianças que utilizarem o local”, detalhou.

Gandini ainda destaca que “o valor do ingresso seria em igualdade de preço ao ordinariamente praticado” e que os beneficiários poderão se fazer acompanhar por suas famílias, sendo até três pessoas e uma delas a que possui a gratuidade. Ao todo, cada sala sensorial teria até 50 pessoas.

O deputado lembra também que essas pessoas deverão receber ingressos diferenciados daqueles disponibilizados ao público em geral, e que a entrega desses, como também a organização dos espaços, serão de responsabilidade do clube, no caso de jogos de futebol, ou da produtora responsável, no caso de outros eventos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 70 milhões de pessoas em todo o mundo apresentem alguma das formas de autismo, e que no Brasil há 2 milhões de pessoas com o transtorno.

“Por isso, é fundamental promover a inclusão dos autistas e portadores de Síndrome de Down, garantir a acessibilidade e fortalecer o vínculo com a comunidade, além de estimular a prática esportiva e de lazer”, discursou Gandini.

A relação do parlamentar com a causa autista ficou fortalecida a partir da sanção da Lei 11.828, de autoria de Gandini, que obriga a aceitação dos laudos emitidos pelos profissionais das redes pública e também particular, torna o documento com validade indeterminada para todos os fins de atribuição e ele não pode ser retido pelo médico. A decisão deve reduzir a fila por neuropediatras e garantir o acesso a direitos.

Gandini já é autor de outra lei que beneficia a comunidade autista, a Lei 11.811/2023, que estabelece validade indeterminada para laudos de pessoas com TEA no Sistema Regular de Transporte Público de Passageiros gerido por entidade do governo do Estado.

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape