ads-geral-topo
Cidades

Após 3 meses, ES registra mais um caso de influenza aviária em Itapemirim

O animal foi resgatado pela equipe do Projeto de Monitoramento de Praias com sintomas neurológicos e encaminhado ao Ipram, onde foi a óbito, conforme comportamento natural da doença

Por Redação

em 06 de fev de 2024, às 11h19

3 mins de leitura

Foto: Divulgação

O Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf) confirmou esta semana mais um caso de influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP), após um período de três meses sem ocorrência. O foco foi registrado no litoral de Itapemirim e envolveu uma ave da espécie trinta-réis-boreal.

O animal foi resgatado pela equipe do Projeto de Monitoramento de Praias (PMP) com sintomas neurológicos e encaminhado ao Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (Ipram), onde foi a óbito, conforme comportamento natural da doença.

Leia também: Contenção contra deslizamentos deixa estrada mais segura em Mimoso

O secretário de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Enio Bergoli, informou que o foco acende um alerta para que sejam mantidas as medidas de biosseguridade, sobretudo na avicultura comercial. “Sabemos que o vírus ainda está presente em nosso território e não podemos descuidar. Ao contrário, precisamos nos manter vigilantes e ainda mais criteriosos, de modo a impedir a introdução do vírus nas granjas, o que implicaria enormes prejuízos econômicos e sociais”, salientou.

“A ampliação do Estado de Emergência Zoossanitária até julho, deliberada recentemente pelo Comitê Gestor de Enfrentamento à Influenza Aviária, inclusive reforça os cuidados que continuam sendo empreendidos pelo Governo do Espírito Santo, em articulação constante com o setor produtivo”, acrescentou Bergoli.

O diretor-geral do Idaf, Leonardo Cunha Monteiro, informou que, com a nova ocorrência, as ações de educação sanitária foram reforçadas no município de Itapemirim, sobretudo com os pescadores da região. “Além disso, os veterinários do Idaf mantêm uma atuação constante de vigilância, em atendimento ao que preconiza o Programa Nacional de Sanidade Avícola. É essencial um comprometimento coletivo para que a doença não alcance o setor comercial”, pontuou Monteiro.

Todas as suspeitas de influenza aviária, incluindo sinais respiratórios, neurológicos ou mortalidade alta e súbita, sobretudo em aves domésticas ou comerciais, devem ser notificadas imediatamente pelo e-Sisbravet, disponível no site do Idaf.

Emergência zoossanitária

O Estado de Emergência Zoossanitária em função da Influenza Aviária foi estendido por mais 180 dias no Espírito Santo, a partir do decreto do Governo do Estado publicado no fim do mês de janeiro. Representantes de órgãos públicos da Agricultura, Saúde e Meio Ambiente e de associações de produtores decidiram, de forma unânime, pela continuidade da emergência. O objetivo é garantir a proteção da avicultura comercial capixaba, que é grande geradora de emprego e renda no Espírito Santo.

A Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag) também publicou na edição do Diário Oficial do Estado desta terça-feira (06) a Portaria nº 006-R, de 1º de fevereiro de 2024, que reforça e prorroga o estado de emergência zoossanitária declarado pelo Governo do Estado, por 180 dias.

A portaria publicada nesta terça-feira (06) reforça ainda os artigos da Portaria nº 019-R, de 30 de junho de 2023. Além da obrigação de os estabelecimentos avícolas atenderem a diversas normas, as portarias também estabelecem a suspensão de exposições, torneios, feiras e eventos com aglomeração de aves e a criação de aves ao ar livre, sejam as espécies voltadas à produção, ornamentais, passeriformes, silvestres ou exóticas em cativeiro.

DECRETO Nº 5454-R, de 26 de julho de 2023
DECRETO Nº 5608-R, de 23 de janeiro 2024
PORTARIA Nº 006-R, de 01 de fevereiro de 2024

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape