ads-geral-topo
Pets

Filhotes: dicas de alimentação e comportamento para seu pet

Há muitos aspectos que precisam de atenção, como a nutrição adequada, a socialização segura e a boa adaptação

Por Redação

5 mins de leitura

em 11 de jun de 2024, às 17h43

Foto: Pixabay

Sofás arranhados, alta necessidade de mastigação e muita, mas muita energia. São várias as características e necessidades dos pets filhotes, e os primeiros meses de vida são cruciais para garantir que eles cresçam saudáveis e felizes.

Leia também: Piercing em animais pode ser proibido no Espírito Santo

Há muitos aspectos que precisam de atenção, como a nutrição adequada, a socialização segura e a boa adaptação, que ajudam tanto o tutor quanto o pet a aproveitarem essa fase tão rápida na vida do animal. Para isso, Pedro Risolia, médico-veterinário da Petlove, traz algumas dicas:

Alimentação e esquema vacinal

Em termos de nutrição, nos primeiros dias de vida, os filhotes recebem o leite materno e os anticorpos do colostro. Com o término da amamentação, é indicado que a única alimentação seja  aquela específica para a idade e orientada pelo médico veterinário. Nessa fase é fundamental para o crescimento e determinação de futura boa saúde  uma alimentação que possua todas as proteínas, vitaminas, minerais, fibras e outros nutrientes que os cães e gatos precisam. 

Vale lembrar que após o período de aleitamento materno, os animais ficam suscetíveis a doenças, portanto é importante estar atento aos protocolos vacinais. A maioria dos pets de até 1 ano são considerados filhotes, podendo variar de acordo com a raça e espécie. Por isso, é importante consultar um veterinário para entender quais vacinas o filhote deve tomar. 

Pedro Risolia informa que os tutores devem se atentar às janelas de vacinação, especialmente as obrigatórias. “O cão pode tomar a primeira das três doses de v8 ou v10 com seis a oito semanas, a vacina protege contra parvovirose, coronavirose, cinomose, parainfluenza, adenovirose, hepatite infecciosa e leptospirose”, reforça.

O médico-veterinário esclarece, que a depender do protocolo vacinal determinado pelo profissional e não ocorrendo intercorrências,  a partir de 12 semanas, o cão já pode receber o composto contra a gripe canina, formada pelas doenças adenovirose, parainfluenza, bordetella bronchiseptica; e a primeira dose da antirrábica, imunizante contra a raiva.

“No caso dos gatos, eles devem ser vacinados por volta de  60 dias de vida com a vacina quádrupla que protege contra rinotraqueíte, calicivirose, panleucopenia e clamidiose, com segunda dose aplicada de 21 a 30 dias após a primeira e a mesma duração para a terceira dose, caso necessário. A partir de quatro meses, os filhotes já estão aptos a receberem a vacina de raiva, que deve ser administrada anualmente. Alguns protocolos vacinais podem ser mais extensos, conforme determinação médica veterinária e vale lembrar que para gatos saudáveis é recomendado a aplicação conjunta da vacina de FeLV (vírus da leucemia felina) ”, explica o veterinário da Petlove.

Outro importante meio de prevenir doenças, segundo Risolia,  são os vermífugos e antipulgas que podem ser iniciados com 30 dias de vida e repetidos a partir de dois a três meses, respectivamente, dependendo do produto.

Adaptação em casa e socialização

Quando um novo animal chega ao lar, tanto ele quanto o tutor e os outros moradores da casa precisam se adaptar à nova rotina. Quando pequenos, os pets têm muita curiosidade para explorar itens estranhos para eles, portanto é bom evitar deixar objetos no alcance, como chinelos, fios e carregadores, mochilas e até mesmo lixo.

“Cachorros, quando estão no início da vida, possuem ainda mais energia que o habitual, e essa disposição combinada com a curiosidade de quem ainda não conhece muita coisa exige que os tutores sigam algumas regras para evitar acidentes dentro de casa. O ideal é manter tudo fora do alcance dos filhotes”, afirma.

De acordo com o médico-veterinário da Petlove, também é importante fornecer enriquecimento ambiental e estímulos para o animal desde filhote, dessa forma, é mais fácil ele se desenvolver. “Atitudes simples como colocar brinquedos à disposição, bolinhas, pelúcias e arranhadores, no caso dos gatos, podem fazer diferença; assim como introduzir o pet, aos poucos,  aos outros animais e habitantes da casa. Pedro Risolia também sinaliza que a adaptação dos gatos é um pouco mais demorada do que a dos cachorros, mas que é preciso ficar atento com ambos. 

É importante incentivar a convivência do pet com outros animais e humanos desde cedo, para que ele não desenvolva uma dificuldade na vida adulta. “Nessa idade, os animais aprendem muito rápido e absorvem com muito mais facilidade o que é certo e o que é errado, é uma janela de aprendizado”, explica o veterinário.

Para valorizar essa fase tão importante da vida dos pets, a Petlove&Co lança a websérie “Nossos Pets: Filhotes”. São 4 episódios que vão abordar temas como doenças domésticas, adaptações, cuidados básicos de saúde, responsabilidade, comportamento e nutrição com dicas de veterinários e histórias pessoais de tutores com seus animais de estimação. 

A terceira websérie Petlove tem como meta disseminar informações importantes para que os humanos possam melhorar a qualidade de vida dos pets filhotes. Tutores de cães e gatos contam como foi a experiência individual com seus filhotes e expressam o amor que sentem por eles. Os primeiros episódios já estão disponíveis no canal da Petlove no Youtube

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.

ads-geral-rodape